Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Campanha 2020

Proposta avança: reajuste de 1,5% com abono de R$ 2 mil

Linha fina
Fenaban garante também, para 2021, reposição da inflação mais aumento real de 0,5% para salários e demais verbas; além da manutenção de todas as cláusula da CCT por dois anos e da PLR nos moldes atuais, com reposição da inflação nos valores fixos e tetos
Imagem Destaque
Arte: Linton Publio/Seeb-SP

Os bancos, que em diversas rodadas de negociação da Campanha dos Bancários 2020 insistiam em reajuste zero para a categoria, finalmente avançaram na proposta. Após várias horas de negociação, que iniciou às 16h de quinta-feira 27 e se estendeu até a manhã desta sexta-feira 28, a Fenaban (federação dos bancos) propôs reajuste de 1,5% para salários, com abono de R$ 2 mil. E ainda a reposição da inflação (estimada em 2,74% no período) para demais verbas, como vales alimentação e refeição e auxílio-creche/babá.

O reajuste de 1,5% nos salários + abono de R$ 2.000,00 para todos este ano garante em 12 meses valores acima do que seria obtido apenas com a aplicação do INPC para salários até R$ 11.202,80, o que representa 79,1% do total de bancários. Isso já considerando o pagamento de 13°, férias e FGTS.

Veja como ficam salários com 1,5% de reajuste + abono de R$ 2 mil:
 

Veja como ficam VA, VR e demais verbas com a reposição da inflação (estimada em 2,74%):  
 

 

Manutenção da CCT e aumento real em 2021

E para 2021, estaria garantida para todos a reposição do INPC acumulado na data base e aumento real de 0,5% para salários e demais verbas como VA e VR, assim como para os valores fixos e tetos da PLR.A proposta prevê ainda a manutenção de todas as cláusulas da CCT por dois anos, o que dá segurança para a categoria neste contexto de retirada de direitos dos trabalhadores.

PLR

A Fenaban, que já tinha voltado atrás nas propostas rebaixadas de PLR, reforçou na mesa desta quinta a manutenção da PLR nos moldes atuais, e também propôs reposição da inflação (INPC estimado em 2,74%) para os valores fixos e tetos da PLR.

Entre a primeira proposta da Fenaban e a proposta atual, os bancários conseguiram reverter os rebaixamentos que os bancos queriam fazer na regra de PLR. Com a manutenção da regra e a atualização nos valores fixos e tetos, entre a primeira proposta e a atual, a PLR média estimada a ser paga nos 3 maiores bancos privados (Itaú, Bradesco e Santander) teve um acréscimo de 12,2% para o piso de escriturário e 9,4% para o piso de caixa.

Veja tabela:

 

Força da mobilização

“Foram diversas rodadas de negociação em que a Fenaban insistia em reajuste zero para a categoria. Além disso, chegaram a apresentar três propostas rebaixadas de PLR, que reduziam em até 48% os valores a serem distribuídos aos trabalhadores, e ainda propuseram a retirada da 13ª cesta alimentação e a redução da gratificação de função de 55% para 50%. O Sindicato rejeitou essas propostas na mesa. Além disso, a pressão da categoria nas ruas, com carreatas, e nas redes sociais, com vários tuitaços, fez com que os bancos voltassem atrás nessas propostas rebaixadas. Já nas mesas anteriores, eles haviam retirado as propostas rebaixadas de PLR, de gratificação de função e de fim da 13ª cesta; e hoje finalmente apresentaram uma proposta de reajuste, que vamos levar para a assembleia virtual permanente”, diz Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários, que representa a categoria na mesa com a Fenaban.

A assembleia virtual será a partir das 20h deste domingo 30 até as 23h59 de segunda 31. A votação será por meio do link: https://assembleia.spbancarios.com.br. Na assembleia serão apreciadas tanto as propostas da Fenaban, para a renovação da CCT, quanto as propostas específicas do Banco do Brasil e da Caixa, para a renovação de seus respectivos acordos coletivos. Veja edital da assembleia.

Banco do Brasil recua na retirada de direitos
Mobilização garante PLR Social, Saúde Caixa e direitos do ACT

“Temos de levar em consideração a conjuntura de pandemia de Covid-19, que impactou não somente na economia, com 80% dos acordos trabalhistas fechados em agosto abaixo do INPC, mas também na nossa organização, uma vez que mais de metade da categoria bancária encontra-se em home office, uma vitória do movimento sindical para garantir segurança aos trabalhadores diante do coronavírus, mas que resulta em dificuldades para a mobilização. Outro ponto que deve ser considerado é a conjuntura difícil para os trabalhadores, com o governo federal pegando carona na pandemia para avançar mais rapidamente na retirada de direitos trabalhistas. E o fim da ultratividade, que faz com que nossa CCT perca a validade em 31 de agosto caso o acordo não seja renovado, outro ataque aos trabalhadores nesse contexto adverso iniciado com o golpe de 2016. Diante de todo esse cenário, e depois de 13 rodadas de negociação muito difíceis, com tentativas de retrocessos em cláusulas históricas da CCT por parte da Fenaban, consideramos que esta proposta, arrancada dos bancos com a força da categoria, é positiva”, acrescenta Ivone.

Home office

As negociações sobre o home office ocorreram na mesa de sábado 29, que continuou até a madrugada deste domingo (30). Os bancos não concordaram em colocar no acordo cláusulas sobre o controle da jornada de trabalho, sobre o ressarcimento de custos e a disponibilização da mobília adequada ao home office. Mas, mesmo sem um acordo geral sobre o tema, o Comando Nacional saiu com a sinalização de acordos específicos com alguns bancos.

A partir do debate sobre teletrabalho, o Comando Nacional conseguiu construir o consenso entre os bancos de que a categoria deva continuar em teletrabalho durante a duração da pandemia.

Contribuição Negocial

Também faz parte da proposta, a contribuição negocial que corresponde a 1,5% da PLR, com teto de R$ 210; e 1,5% do salários, com mínimo de R$ 50 e máximo de R$ 250. A contribuição negocial, essencial para que os sindicatos possam fazer a luta, já havia sido aprovada pelos bancários nas conferência estadual e nacional e em assembleia do Sindicato.

Saiba como foram as negociações anteriores: 

> Décima primeira: Bancos recuam em rebaixar PLR, mas mantêm reajuste zero
> Décima rodada: Fenaban mantém reajuste zero e PLR rebaixada
> Nona rodada: Fenaban insiste em retirada de direitos
> Oitava rodada: Bancos propõem reajuste ZERO
> Sétima rodada: Bancos querem retirar 13ª cesta e diminuir gratificação
> Sexta rodada: Fenaban propõe reduzir PLR dos bancários em até 48%
> Quinta rodada: Bancos apresentarão proposta na terça-feira 18
> Quarta rodada: Sindicato cobra implantação do canal a vítimas de violência
> Terceira rodada: Sindicato cobra da Fenaban melhorias para saúde dos bancários
> Segunda rodada: Bancários reivindicam manutenção dos empregos
> Primeira rodada: Sindicato negocia regulamentação do home office

Conecte-se ao Sindicato

Mande aqui um WhatsApp para o Sindicato, salve o nosso número nos seus contatos e fique por dentro de tudo o que acontece na Campanha Nacional dos Bancários 2020. Ou cadastre-se para receber notícias da campanha em seu e-mail.

Acesse a página de notícias Ao Vivo e siga o Sindicato dos Bancários no FacebookTwitterInstagramLinkedin e Youtube para se manter informado sobre a Campanha Nacional dos Bancários 2020.

Nós também fizemos uma lista com perguntas e respostas sobre a campanha.