Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Organização

Unidade na luta foi tônica da mesa de abertura da Conferência Nacional dos Bancários

Linha fina
Na solenidade de abertura da 21ª Conferência Nacional dos Bancários, na noite de sexta-feira 2, lideranças sindicais reforçaram a importância da união e da mobilização frente aos retrocessos
Imagem Destaque
Foto: Seeb-SP

Unidade na luta foi o lema da solenidade de abertura da 21ª Conferência Nacional dos Bancários, na noite de sexta-feira 2. A conferência, que ocorre na Quadra dos Bancários, no centro de São Paulo, e reúne 604 delegados e delegadas de todo o país, debaterá, no sábado 3 e domingo 4, estratégias de mobilização da categoria. Acompanhe a cobertura do evento pelo site e pelas redes sociais do Sindicato dos Bancários de São Paulo: facebook.com/spbancarios e twitter.com/spbancarios.

Na mesa de abertura, a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, reforçou a importância da união para barrar os retrocessos.

“Nós temos que lutar, e ainda bem que nós temos uns aos outros. Ainda bem que nós temos a mão um do outro para segurar e caminhar juntos. Por isso que eu acho que o nosso maior patrimônio, no caso da nossa categoria, é a nossa unidade. É a unidade nacional que a gente construiu ao longo desses anos, e que muitos militantes que nos antecederam também lutaram e construíram”, lembrou. “E esse nosso patrimônio tem que ser cada vez mais ampliado. Então eu acho super importante que as centrais sindicais dialoguem e estejam juntas construindo essa unidade na luta”, completou.

A presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, também enalteceu a estratégia de luta da categoria para resistir e manter direitos.

"Nós montamos uma estratégia corretíssima que foi antecipar as negociações no ano passado. E mais ainda: nós achamos saídas para nossa Campanha Nacional, e foi mais acertado ainda fechar o acordo de 2 anos. Porque agora, nessa conferência, estamos em outro patamar. Não estamos apenas discutindo nossa Campanha Nacional, já que nossa convenção já está assinada e nosso aumento real já está garantido. Estamos num momento à frente, porque sempre pensamos o nosso próximo passo. E nessa conferência estamos pensado não só em como vamos nos organizar para nossa campanha do ano que vem, mas também vamos pensar na conjuntura, uma vez que a categoria bancária está ligada à toda a conjuntura nacional”, analisou.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), o bancário Vagner Freitas, fez uma saudação ressaltando a importância do acordo de 2 anos face à conjuntura adversa que os trabalhadores enfrentam.

“Quero dizer o quanto foi acertado termos estabelecido um processo de 2 anos de convenção coletiva. Foi uma estratégia extremamente inteligente e ousada do Comando Nacional dos Bancários. O que tem acontecido com as convenções coletivas no Brasil hoje? Todas têm sido desprezadas e despedaçadas”, completou. 

Ao final, a Juvandia Moreira entregou a Vagner formulários do abaixo-assinado contra a reforma da Previdência contendo mais de 60 mil assinaturas coletadas no Brasil todo. O presidente da CUT afirmou que os documentos serão levados a Brasília no próximo dia 13.

Veja a cobertura do evento:

Análise de conjuntura abriu debates da Conferência Nacional
Capital internacional ameaça soberania nacional
Carlos Gabas: “Não existe reforma. É ajuste fiscal nas costas do trabalhador”
Modernização pode gerar mais exploração do trabalhador
Vídeo: Ivone Silva destaca a importância dos temas dos 3 dias de debates
Plenária final: bancários reafirmam defesa da soberania nacional