Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Jurídico

Sindicato fará atendimento jurídico a mulheres vítimas de violência

Linha fina
Lançamento do serviço será na segunda-feira 9, às 15h, no Café dos Bancários, na sede do Sindicato, e terá participação da ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres Eleonora Menicucci e da deputada estadual Márcia Lia
Imagem Destaque
Montagem: Linton Publio

No Brasil, a cada 4 minutos uma mulher é vítima de agressão. Em 2018, foram registrados mais de 145 mil casos de violência doméstica, seja ela física, sexual, psicológica, entre outras. Os dados são do Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), do Ministério da Saúde.

Para ser mais um aliado no combate à violência contra a mulher, o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região passará a oferecer também serviço jurídico especializado no atendimento às vítimas, por meio do projeto Basta: Não irão nos calar.

O lançamento do serviço será na segunda-feira 9, às 15h, no Café dos Bancários (Rua São Bento, 413, Centro, no edifício Martinelli), e terá a participação da ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres do governo Dilma, Eleonora Menicucci, e da deputada estadual por São Paulo Márcia Lia (PT).

O projeto é uma reação do movimento sindical contra a ofensiva conservadora do governo, que tem atuado fortemente no desmonte das políticas públicas para o enfrentamento da violência contra a mulher. Ele também está dentro da programação dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher, uma campanha mundial organizada pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Bancárias se unem a campanha mundial pelo fim da violência contra a mulher

“A violência contra as mulheres ainda é uma triste realidade no país. Reverter esse índice é um compromisso que a sociedade precisa ter todos os dias, com a prevenção e a mobilização, ou seja, com investimento em educação e na criação de canais para o acolhimento e denúncia. Criamos redes integradas de apoio para garantir a essas mulheres agredidas um acompanhamento jurídico, com condições de denunciar e se manterem protegidas. Todas as questões que afetam a qualidade de vida dos bancários e de seus familiares são tratadas como prioridade pelo Sindicato. Por isso que somos um Sindicato Cidadão, com um olhar integral do trabalhador, buscando seu acesso à educação, saúde, moradia e segurança. Nesse esforço conjunto, pais, irmãos, maridos, filhos, líderes comunitários e toda a sociedade têm papel essencial nessa luta pelo fim da violência”, destaca Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.  

UNI lança campanha por ratificação da Convenção 190 da OIT 

Como funcionará o projeto

O projeto oferecerá atendimento jurídico especializado em violência doméstica e de gênero e atuará em parceria com a Rede Municipal de Enfrentamento à Violência Doméstica, atendendo as demandas jurídicas que não podem ser absorvidas pela Defensoria Pública.

"Meu príncipe virou um monstro", conta bancária vítima de violência doméstica

“Aqui no Sindicato vamos prestar vários tipos de atendimento, desde uma orientação jurídica em casos que onde há violência doméstica ou de gênero, solicitação de medida protetiva e até uma ação criminal contra o agressor. O diferencial do nosso atendimento será o lado humanizado diante do drama da violência doméstica. Não vamos nos calar diante do avanço da violência, queremos viver em uma sociedade onde todas as mulheres possam viver sem violência ou medo, somos um Sindicato Cidadão”, diz o secretário de Assuntos Jurídicos Individuais do Sindicato, João Fukunaga. E completa. "Serão atendidas bancárias, sindicalizadas ou não, e todas as vítimas que procurarem o Sindicato", finaliza.

Agendamento

Para agendar o atendimento, a vítima deve entrar em contato, via Central de Atendimento, das 9h às 18h, de segunda a sexta, ou vir diretamente à sede (Rua São Bento, 413, Centro). Os atendimentos serão realizados somente com agendamento prévio.

Leia outras reportagens sobre os 16 Dias de Ativismo:

Mulheres vão às ruas contra o fim da violência contra a mulher
Mais de 1,2 milhão de mulheres foram vítimas de violência entre 2010 e 2017
Luta pelo fim da violência contra a mulher é fortalecida neste 25 de novembro
Bancárias se unem a campanha mundial pelo fim da violência contra a mulher

Vídeo:

No vídeo abaixo, as dirigentes sindicais Erica de Oliveira e Vera Marchioni batem um papo com a coordenadora do projeto, Phamela Godoy. Assista e compartilhe!