Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Coronavírus

Sindicato tem buscado soluções junto aos bancos desde o início da pandemia

Categoria bancária é uma das poucas no país a se reunir constantemente com os patrões para tratar de medidas que preservem a saúde e garantam a segurança dos trabalhadores e da população

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 24/03/2020 17:36 / Atualizado em 03/04/2020 11:55

Arte: Fabiana Tamashiro

Desde o dia 26 de fevereiro, quando o Brasil teve confirmado o primeiro caso de coronavírus, o Sindicato tem buscado junto aos bancos soluções com o intuito de proteger a saúde e garantir a segurança dos bancários e de toda a população. A categoria bancária é uma das poucas que têm se reunido constantemente com os patrões e discutido medidas a serem tomadas ante o avanço da pandemia no país.

No dia 27 de fevereiro, o Sindicato pediu responsabilidade dos bancos e que também fossem seguidas todas as recomendações e procedimentos orientados pela Vigilância Sanitária na ocasião, no sentido de preservar a saúde dos bancários, principalmente a dos lotados em locais com grande concentração de trabalhadores.

Em 12 de março, um dia após a Organização Mundial de Saúde (OMS) decretar o status de pandemia mundial ao coronavírus, o Comando Nacional dos Bancários e o Sindicato encaminharam  um ofício à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) solicitando informações sobre quais providências os bancos tomariam para prevenção ao novo coronavírus. Uma das recomendações contidas no documento era a criação de um comitê bipartite para o acompanhamento da pandemia. Os bancários também reivindicaram dos bancos, na ocasião, ações voltadas para proteger os trabalhadores que estão em grupos de riscos e recomendações após retorno de viagem internacional, com a permanência em casa por 14 dias, no mínimo, além da suspensão de viagens internacionais.

No dia 16 de março, após reunião com o Sindicato e o Comando, a Fenaban aprovou a criação do comitê bipartite, a implementação de comunicação preventiva, o reforço na higiene e limpeza de todos os locais de trabalho e o cancelamento de eventos, reuniões e treinamentos para os bancários, entre outras medidas.  

Além das conversas com cada um dos bancos, públicos e privados (acompanhe aqui, em tempo real, as principais medidas adotadas ante a epidemia de coronavírus nos bancos), o Sindicato também cobrou, no dia 18 de março, medidas do Banco Central, entre elas o contingenciamento do acesso às agências, com redução do horário de atendimento. A solicitação foi atendida um dia depois, e o BC autorizou os bancos a reduzirem horário (mas não determinou qual seria o novo horário) e a contingenciarem a entrada.

Na segunda-feira 23, Sindicato e Fenaban se reuniram novamente, desta vez para discutir uma das principais reivindicações da categoria ante o avanço da pandemia: que o atendimento ao público seja limitado apenas aos serviços essenciais, com contingenciamento de pessoas nas agências e o fim das metas e das demissões. 

Nesta terça-feira 24, o Itaú e o Santander informaram ao Comando Nacional dos Bancários que acataram a reivindicação e que não demitirão trabalhadores enquanto a pandemia gerada pelo novo coronavírus (Covid-19) não for dissipada.

“Diante de um momento tão grave e delicado como este, os bancários novamente têm sido vanguarda em suas conquistas. Estamos, inclusive, nos adiantando às medidas anunciadas pelas três esferas de governo no sentido de proteger a saúde dos trabalhadores e de toda a população. Os bancos, enquanto concessões públicas, têm obrigação de zelar pelo seu papel social, e não a de permanecer com a sua sanha por lucros estratosféricos às custas da saúde e de todo o esforço dos bancários, que estão se arriscando para que a população tenha garantidos serviços essenciais”, enfatiza Ivone Silva, presidenta do Sindicato e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

Redes Sociais

Nas redes sociais, o Sindicato também vem atendendo às demandas dos bancários. No Facebook, no Twitter e no Instagram, trabalhadores estão tirando suas dúvidas e fazendo denúncias tanto por mensagens privadas quanto nos comentários das publicações em nossas páginas. Dentre as reivindicações da categoria, estão o fechamento de agências, liberação de pais e mães que têm filhos pequenos e daqueles que moram com familiares idosos. A principal preocupação é que, mesmo com as medidas já conquistadas nas negociações do Sindicato com a Fenaban, como o contingenciamento e o revezamento, os trabalhadores fiquem expostos no trajeto casa-trabalho.

Desde o a segunda-feira 16 até a tarde desta terça-feira 24, atendemos a 98 bancários em mensagens privadas enviadas ao Sindicato via Facebook, além de termos recebido mais de 1.800 comentários em nossas publicações, com os mais diferentes tipos de relatos, dúvidas, denúncias, críticas e sugestões.

Veja canais para se informar e fazer denúncias

O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região está monitorando todos os locais de trabalho e alertando os bancários. Como as informações estão sendo atualizadas constantemente, deixamos aqui nossos canais de comunicação.

 

 

Está com um problema no seu local de trabalho ou seu banco não está cumprindo o acordado? Deixe seu contato aqui que vamos te ligar.

Central de Atendimento - você pode falar conosco via chat ou solicitação via formulário.

Em tempo real - Entre nessa página especial do nosso site para saber todas as notícias sobre o Coronavírus (Covid-19)

Redes Sociais - nossos canais no Facebook e Twitter estão abertos, compartilhando informações do Sindicato e de interesse da sociedade sobre a pandemia.

Quer receber notícias sobre o seu banco? Cadastre-se em nossa newsletter e receba em seu e-mail.

Perguntas e Respostas sobre o Coronavírus nos bancos



Voltar para o topo