Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Saúde

Bancários na linha de frente da Covid-19 e do estresse

Imagem Destaque

O mês de abril é o mês da conscientização em relação à saúde do trabalhador. Além do dia 7 - Dia Mundial de Saúde, há também o dia 28, quando é celebrado o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho.

Pelo segundo ano consecutivo, o país enfrenta um período bem difícil por conta do agravamento da pandemia e as mortes causadas pela covid-19. Vários países já conseguiram vacinar em massa a sua população e já estão voltando aos poucos a ter uma vida normal.

Enquanto isso, o Brasil assiste a milhares de mortes diárias sem nenhuma perspectiva de melhora rápida por conta de fatores como o negacionismo do governo federal que, além de negligenciar a doença, não adquiriu vacinas em tempo hábil, e segue desacreditando e incentivando parte da população a ser anti-ciência. E com isso, a economia patina e o desemprego aumenta por falta de políticas para as empresas, que sofrem com o abre e fecha dos estabelecimentos devido à necessidade de isolamento social e à piora da pandemia.

O diretor de Saúde do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Carlos Damarindo, destaca que a categoria bancária, além de todos os problemas de saúde já enfrentados, sofre pelo medo da doença, com a perda de colegas e familiares e com o fantasma das demissões, assim como outras categorias profissionais que continuam na linha de frente na pandemia. "Toda essa carga emocional se agrega à pressão por metas diárias, ao isolamento em casa e ao assédio moral. Todos os dias lidamos com trabalhadores que pedem socorro em relação à sobrecarga e com o medo de demissão, uma vez que os bancos descumpriram compromisso de não demitir na pandemia", comenta.
> Bancos extinguem mais de 13 mil empregos durante a pandemia

Damarindo acrescenta que como os bancos são considerados um serviço essencial na pandemia, juntamente com alguns setores do comércio de alimentos, saúde e outros, os bancários se tornaram muito vulneráveis ao risco de contaminação por covid-19 por trabalharem em um local fechado por pelo menos 6 horas por dia.

> Sindicato solicita vacinação já para a categoria bancária
> Como professores e policiais, bancários cobram vacina já!
> Vacina: Sindicato cobra governo paulista por prioridade para bancários
> Sindicato solicita vacinação já para a categoria bancária
> Vacina: vice da Câmara defende bancários entre prioritários

Assine aqui abaixo-assinado pela inclusão dos bancários como grupo prioritário na vacinação

"A pressão para quem está na linha de frente ou para quem está no home office fizeram aumentar os transtornos mentais. Em 2020, a maioria dos bancários e bancárias que nos procuraram, cerca de 90%, tinham problemas relacionados ao estresse, ansiedade e depressão, tendo aumentado muito ainda o número de diagnósticos de Síndrome de Burnout, que é o esgotamento mental relacionado ao trabalho. Apesar do não fornecimento de números do INSS, em 2019 e 2020,  nós registramos esse aumento dia após dia desde 2019 e que ficam escondidos no INSS", destaca.

O dirigente orienta: "Muitas pessoas demitidas ainda estavam em tratamento. Por isso, recomendamos que se cuidem. Não deixe sua saúde nas mãos do banco. O Sindicato pode te ajudar, te orientar e mostrar os melhores caminhos. Lutamos para que essas doenças sejam reconhecidas como doenças do trabalho já que até 2018, 57% dos afastamentos da categoria bancária foram por transtornos mentais e LER/Dort ".

> Assista no canal do Sindicato no Youtube mais vídeos sobre a Saúde dos bancários

Orientação do Sindicato

O movimento sindical luta para que os bancos garantam condições dignas de trabalho, sem assédio moral e sem metas abusivas. No entanto, individualmente, Damarindo orienta cada bancário e bancária que necessita de ajuda a cuidar de sua saúde já que ela é bem maior.

"Contamos com o trabalho do CRST [Centro de Referência em Saúde do Trabalhador] para identificar essas doenças e emitir a comunicação de acidente de trabalho, que o ajude a ter o direito reconhecido junto ao INSS, para poder fazer seu tratamento e uma estabilidade para cuidar de sua saúde, uma vez que os bancos se negam a fazer a CAT para o bancário não ter nenhum desses direitos. Cuide da sua saúde em primeiro lugar, não aceite assédio moral, denuncie ao Sindicato", finaliza.

Procure o Sindicato

O Sindicato está monitorando todos os locais de trabalho e alertando os bancários. Como as informações estão sendo atualizadas constantemente, deixamos aqui nossos canais de comunicação.

Está com um problema no seu local de trabalho ou seu banco não está cumprindo o acordado? Deixe seu contato que vamos te ligar 

Central de Atendimento - você pode falar conosco via chat  ou solicitação via formulário 

 Em tempo real - Entre nessa página especial do nosso site para saber todas as notícias sobre o coronavírus (Covid-19) 

Redes Sociais - nossos canais no Facebook e Twitter estão abertos, compartilhando informações do Sindicato e de interesse da sociedade sobre a pandemia.

Quer receber notícias sobre o seu banco? Cadastre-se em nossa newsletter e receba em seu e-mail.