Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Luta

Sindicato promove novo protesto contra demissões no Santander

Diante do grande número de demissões arbitrárias neste final de ano, especialmente de bancários adoecidos e próximos da aposentadoria, dirigentes sindicais denunciaram as maldades do banco à população, que demonstrou apoio total aos trabalhadores

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 05/12/2019 17:07 / Atualizado em 10/12/2019 17:04

Foto: Seeb-SP

Em continuidade aos protestos contra o grande número de demissões no Santander, especialmente de bancários adoecidos e próximos da aposentadoria, o Sindicato realizou, nesta quinta-feira 5, um protesto em importantes pontos de circulação de pessoas da capital paulista. Dirigentes exibiram faixas denunciando as demissões, o lucro gigantesco do banco, as altas tarifas e taxas de juros, a ausência de contrapartida para a sociedade e o adoecimento dos trabalhadores (veja a galeria de fotos no final da matéria)

> No Radar, Sindicato protesta contra onda de demissões no Santander
A cruel gestão do Santander
Ho Ho Ho?! No Santander, o presente de Natal é a demissão

“Realizamos grandes protestos na semana passada e as demissões continuaram. As tentativas de negociar com o banco a reintegração de trabalhadores, inclusive com laudos médicos comprovando o adoecimento, não tiveram sucesso. Diante dessa intransigência do banco, fomos para as ruas denunciar para a população essa postura cruel do banco com os seus trabalhadores”, relata a diretora do Sindicato e bancária do Santander, Lucimara Malaquias.

Até setembro, o Santander atingiu lucro de R$ 10,8 bilhõesresultado 20,4% maior em relação ao mesmo período do ano passado. Somente com o que arrecada com tarifas, receita secundária, o banco cobre em 199% as suas despesas com pessoal, incluindo a PLR. O Brasil segue liderando o resultado global do grupo espanhol, com 29% de todo o lucro no mundo.

Santander demite bancária em tratamento contra o câncer
Santander terá de reintegrar e indenizar bancário adoecido
Flores, demissão e humilhação no Santander

“Caso o banco não recue dessa postura, os protestos serão cada vez maiores. Não podemos aceitar que demissões sejam naturalizadas como uma prática habitual de gestão do banco” enfatiza Lucimara.

A diretora do Sindicato comenta ainda que a receptividade da população com o protesto foi muito positiva.

 

 

“As pessoas paravam para tirar fotos com faixas, buzinavam em apoio. No Brasil, um país no qual são cobrados tarifas e juros extorsivos, todos já tiveram experiências ruins com bancos. A população não só reconhece que os bancos são o setor mais lucrativo da economia, mas também sabem que a gestão dos bancos massacra os bancários e os trata como meros números, descartáveis. Uma gestão que não prejudica apenas os bancários, mas toda a sociedade. Com as demissões, o Santander onera a Previdência Social, contribui para já elevada taxa de desemprego e precariza o atendimento. Uma empresa que opera como concessão pública deveria ter responsabilidade social e oferecer contrapartidas para a sociedade, e não o contrário”, conclui.

Santander, vamos falar sobre responsabilidade?
Santander é condenado por metas abusivas e adoecimento mental dos bancários
Santander demite único caixa de agência no centro
Com só um caixa, agência vira tormento de clientes e bancários

 



Voltar para o topo