Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Bradesco

Em Cotia, Sindicato protesta contra demissões no Bradesco

Dirigentes do Sindicato dialogaram com bancários e população sobre os cortes em plena pandemia, que prejudicam empregados do banco e a população, especialmente moradores de locais distantes dos grandes centros

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 30/11/2020 18:30 / Atualizado em 30/11/2020 18:45

Foto: Seeb/SP

Os protestos contra as demissões realizadas pelo Bradesco em plena pandemia, o que fere compromisso público assumido pelo banco, chegaram a Cotia, cidade da Grande São Paulo. As atividades, realizadas nesta segunda-feira 30, foram realizadas em duas agências do banco, no centro do município e no Parque Bahia. 

CLIQUE AQUI e fique por dentro da campanha do Sindicato contra as demissões nos bancos
Demitido? Procure o Sindicato!

O Bradesco encerrou os primeiros nove meses de ano com 95.934 empregados, com redução de 3.338 postos de trabalho em doze meses e 772 agências fechadas no período.

Bradesco lucra R$ 5,031 bilhões no 3º trimestre
Bradesco, a pandemia não acabou! Vai demitir mesmo?

“Em plena pandemia, o Bradesco está demitindo milhares de pais e mães de família. Por isso, realizamos o protesto, para dialogar com bancários e a população sobre a política de cortes adota pelo banco, que foi considerado a empresa de capital aberto mais lucrativa da América Latina no primeiro semestre. Não existe justificativa para as demissões”, diz o dirigente do Sindicato e bancário do Bradesco Alexandre Bertazzo. 

“Me senti descartado como lixo”, desabafa bancário demitido pelo Bradesco 
Bárbara foi demitida após 12 anos de dedicação ao Bradesco

“Uma postura que não prejudica somente os trabalhadores demitidos, que dificilmente encontrarão realocação neste momento, mas também os bancários que permanecem no banco, cada vez mais sobrecarregados; os clientes, que ficam com o atendimento precarizado; e também o país como um todo, uma vez que os cortes inflam ainda mais a já elevada taxa de desemprego, onerando a seguridade social . Em Cotia, encontramos filas de horas, para fora das agências, resultado da redução do número de bancários atendendo a população. Essa situação é mais evidente em locais distantes do centro de São Paulo, como Cotia, nos quais existe um número menor de agências e a população busca com mais frequência o atendimento presencial”, acrescenta. 

 

 

Somente com o que arrecada com tarifas e serviços bancários, receita secundária, o Bradesco cobre em 135,4% o total das suas despesas com pessoal, incluindo a PLR.

Sexta 13 de protesto contra demissões no Bradesco
Na zona leste, bancários protestam contra demissões no Bradesco 
Bancários do centro protestam contra demissões no Bradesco
Protesto contra demissões chega em Alphaville
Clientes reclamam do serviço precário e pedem mais bancários
Sindicato volta a denunciar demissões no Bradesco
Bancários promovem ato contra demissões na zona sul de São Paulo
Contra demissão, bancários reagem na região Paulista
Contra as demissões, bancários protestam na zona norte de São Paulo
Bancários iniciam protestos contra demissões no Bradesco



Voltar para o topo